RENÚNCIA DO ADVENTO - MENSAGEM DO SR. BISPO

MENSAGEM DO SR. BISPO
Renúncia do Advento, apelo à fraternidade!

Aproxima-se o Natal. Ao longo de quatro semanas, vivemos um tempo diferente, em “Advento” (vinda), na expectativa da celebração jubilosa do nascimento de Jesus.
Natal é a Festa, que em cada ano, na liturgia, faz renascer a esperança, a força e a coragem, na fé de que Deus envia o Seu Filho ao mundo, para abrir perspectivas de vida nova e Vida em abundância para todos os homens e mulheres. O Filho de Deus faz-se Homem para fazer dos homens filhos de Deus (cf. Jo 1,14) numa grande família de irmãos.
Advento e Natal aparecem-nos, por isso, como tempos especiais de atenção mútua, de interesse pela vida e problemas uns dos outros, de maior preocupação na entreajuda e partilha fraterna de bens. A quadra do Natal tem sempre a marca da solidariedade e da fraternidade cristã, que se traduz em gestos concretos de presença e ajuda a quem mais
precisa.
A chamada “Renúncia do Advento”, com apreciável tradição na nossa Diocese, insere-se neste espírito de caridade e desejo de resposta às situações concretas dos meios em que vivemos.
Assim, ouvidos o Conselho Presbiteral e os Responsáveis Diocesanos da Cáritas e das Conferências de S. Vicente de Paulo, perante as múltiplas necessidades que são chamados a assistir e ajudar, as ofertas da “Renúncia do Advento” deste ano destinam-se ao “Fundo Social Diocesano”, para ajudar famílias em situações especiais de pobreza, nomeadamente por razões de desemprego e maiores necessidades no apoio às crianças, doentes e idosos.
Como é costume, a recolha das ofertas da “Renúncia do Advento” faz-se em todas as igrejas da Diocese, nos ofertórios das Missas da festa da Epifania do Senhor, que será no próximo dia 2 de Janeiro. Pede-se aos Reverendos Párocos que expliquem aos fiéis o sentido positivo desta renúncia, como forma de penitência pessoal e serviço de amor fraterno.
As Paróquias e as Associações de Fiéis, conhecendo as necessidades reais das famílias das respectivas áreas de proximidade, poderão solicitar ajudas, nas condições acima indicadas, apresentando os respectivos casos à Cáritas Diocesana e às Conferências Vicentinas, através das quais se fará a distribuição do Fundo.
A Diocese agradece, desde já, a generosidade dos fiéis, sempre tão bem comprovada e testemunhada, perante situações e causas difíceis. Nem falta, neste momento de crise e dificuldades, em tempo de Natal, o estímulo do Amor-Caridade, reflexo da Bondade de Deus na dádiva do Seu Filho Jesus. Não haverá Natal sem espírito e gestos de fraternidade!

Funchal, 12 de Dezembro de 2010
† António Carrilho, Bispo do Funchal
Enviar um comentário
VIDEO DE PORTO SANTO